Archive for the ‘Dia das mentiras’ Category

Dia das mentiras

Posted: 1 de Abril de 2009 by Dê Cê ÉL in Crónicas, Dia das mentiras, Dias mundiais, Opiniões

Hoje é assinalado este dia, o das mentiras, ou dos “bobos”. Crê-se que surgiu em França, em meados do século XVI, onde a comemoração do ano novo era feita de 25 de Março a 1 de Abril. Após isso passou a ser festejado a 1 de Janeiro mas os antigos seguidores continuavam a festejar na antiga data, pelo que os novos troçavam com isso mesmo, enviando àqueles prendas sarcásticas e marcando eventos que não existiam. Actualmente neste dia dizem-se muitas mentiras, o espirito insincero da humanidade vem mais ao de cima do que é costume. Nos noticiários fazem-se noticias falsas e posteriormente desmentidas; fazem-se chamadas telefónicas a amigos ou parentes com mentiras inocentes ou muitas vezes até de mau gosto, como dizer aos pais que se partiu um membro, o que geralmente os preocupa.

Pois e meus caros: O dia da verdade, será que também existe? Pois bem, sim e é comemorado (por poucos, é certo), dois dias depois do das mentiras, a 3 de Abril.

Poderemos interpretar tudo isto de uma forma metafórica. Se O dia das mentiras vem primeiro do que o da verdade, sendo que este vem no singular e que é oposto do primeiro, podemos afirmar e enquadrar aqui a máxima popular “a verdade é como o azeite, vem sempre ao de cima”, ou seja, a verdade é sempre descoberta, a mentira tem “perna curta” e apanha-se mais depressa “um mentiroso que um coxo”. Por fim, a diferença entre singular e plural equivale a dizer que por muitas mentiras que se profiram, a verdade é só uma, um dogma pragmático e factual.

Trocem muito, brinquem, preocupem, mas não se esqueçam: Quantos dias por ano mentimos e dizemos a verdade?! E se todos os mentirosos têm aquele amigo grilo falante, do filme célebre da Disney, onde a mentira é metaforica e alegóricamente traduzida. Talvez no mundo onde vivemos, cheio de ratos e homens, até mesmo este grilo minta, por influencias sociais. Quem sabe. É caso para se dizer que em Abril e na vida, “Águas mil”.

Diogo.Leal 2009

Anúncios